FAMOSIDADES
Esta postagem foi gentilmente cedida
Por WALLACE CARVALHO
RIO DE JANEIRO - Se na vida real a sociedade tende a discriminar as garotas de programa, na ficção as mulheres que trabalham com a profissão mais antiga do mundo, geralmente, caem no gosto popular e se tornam personagens queridos pela maioria dos telespectadores.
Com o sucesso de Deborah Secco no longa “Bruna Surfistinha”, o Famosidades reuniu uma lista com as 10 prostitutas da dramaturgia que entraram para a galeria de heroínas inesquecíveis. Confira!
Divulgação/TV Globo
Divulgação/TV Globo
Bebel: Francisbel dos Santos Batista, Bebel para os íntimos, conquistou o público brasileiro por conta de sua “catiguria” em “Paraíso Tropical”. Na trama escrita por Gilberto Braga, a vida da morena não era nada fácil. Com um certo desvio de caráter, a moça batia ponto no calçadão de Copacabana para sustentar o cafetão Jáder (Chico Diaz). Só que ela não esperava que fosse conhecer no asfalto o homem de sua vida: Olavo (Wagner Moura). A dupla proporcionou momentos hilários e deu um show de interpretação. Até o “Rei” Roberto Carlos se encantou pela personagem. Noveleiro, o cantor convidou Camila Pitanga para fazer um dueto com ele em seu especial de fim de ano.
Divulgação/TV Globo
Divulgação/TV Globo
Capitu: Giovana Antonelli comeu o pão que o diabo amassou na mão de um cliente que queria lhe dar uma vida de princesa. Capitu era garota de programa de luxo em “Laços de Família”. A jovem se prostituía para pagar a faculdade, a creche do filho e ajudar nas despesas de casa. Apaixonada pelo vizinho desde a infância, a moça sofreu novela inteira por causa da vida dupla e ainda teve que aturar as ameaças de Orlando (Henrique Pagnocelli) que em troca do seu silêncio queria Capitu só para ele.
Divulgação
Divulgação
Bruna Surfistinha: Um pouco de ousadia e uma dose de coragem. Foi a combinação que Deborah Secco precisou ter para filmar a vida da garota de programa mais famosa do Brasil. A atriz se entregou de corpo e alma para a história da menina adotada que foge de casa para se prostituir. Na rua, Bruna – que na verdade se chama Raquel – passou por bordeis de quinta categoria até se tornar uma prostituta de luxo. Ao relatar sua experiência com os clientes na internet, a jovem se tornou celebridade, lançou um livro que se tornou best-seller e abandonou a “vida fácil”.
Divulgação/TV Globo
Divulgação/TV Globo
Maria do Céu: Quem pensa que Bruna Surfistinha foi a primeira prostituta na vida de Deborah Secco se enganou. Em “A Favorita” (2008), a atriz interpretou uma retirante que ao chegar ao Rio de Janeiro vai morar em um bordel. Apaixonada por Cassiano (Thiago Rodrigues), a jovem acaba se envolvendo com Halley (Cauã Reymond), filho da patroa. É através dele que Céu conhece Orlandinho (Iran Malfitano), um gay que a contrata para fingir que é hetero para a avó. Só que o casal acaba se apaixonando e o bofe vira homem com H.
Divulgação/TV Globo
Divulgação/TV Globo
Hilda Furacão: A jovem Hilda Müller desiste do casamento em cima da hora por conta de uma revelação feita por uma cartomante na minissérie homônia escrita por Glória Perez. Com isso, a mineira procura abrigo em um prostíbulo de Belo Horizonte. A inocente menina, interpretada por Ana Paula Arósio, se transforma em Hilda Furacão. O que ela não podia imaginar é que acabaria vivendo uma paixão proibida ao cair de amores pelo frei Malthus (Rodrigo Santoro).
Divulgação/TV Globo
Divulgação/TV Globo
Ester: Malu Mader também teve seus dias de “vida fácil”. A atriz viveu uma cortesã em “Força de um Desejo” (1999) que encantou o jovem Inácio (Fábio Assunção). O casal acaba se separando por conta da interferência da avó do rapaz. O tempo passa e a prostituta conhece Henrique Sobral (Reginaldo Faria). Apaixonada, ela decide largar o ofício para se casar com o barão. O que a morena não poderia imaginar era que o marido fosse pai do grande amor de sua vida. Vale lembrar que um ano antes, Malu deu vida a prostituta Paula Lee na minissérie “Labirinto”.
Divulgação/TV Globo
Divulgação/TV Globo
Taís: Maria Flor retratou o drama de diversas brasileiras que vão tentar a vida fora do país. Em “Belíssima” (2005), sua personagem foi levada para Europa, iludida por promessas de que ganharia dinheiro rápido. Ao chegar na Grécia, a jovem teve seus documentos apreendidos pelos traficantes e sofreu o pão que o Diabo amassou para sobreviver. Taís foi salva por Narcíso (Vladimir Brichta) que se apaixonou perdidamente pela brasileira e fez de tudo para salvar a pele da amada.
Reprodução
Reprodução
Dinorah: Nunca houve uma garota de programa tão sonhadora como a personagem de Carla Marins em “A Indomada” (1997). Dinorah era tratada como filha por Zenilda (Renata Sorrah), dona do bordel. A moradora da “Casa de Campo” sonhava em casar de véu e grinalda na igreja. A “quenga” parou de fazer programa quando conheceu Sérgio Murilo (Cássio Gabus Mendes), um forasteiro que prometeu se casar com a moça. Só que o amado precisa passar por um transplante renal. Apaixonada, Dinorah faz todos os exames e após descobrir que era compatível doa um rim ao amado. Após a cirugia, Sérgio Murilo vai embora da cidade e foge com o órgão da moça.
Reprodução
Reprodução
Rosa Palmeirão: A personagem de Luiza Tomé em “Porto dos Milagres” passou 20 anos na cadeia por ter assassinado o coronel Jurandir (Reginaldo Faria) no dia do seu casamento com Otacílio (Eduardo Galvão). O motivo do crime? O crápula violentou sua irmã mais nova que acabou se suicidando em seguida. Na segunda fase da novela, Rosa volta à cidade como Rosa Palmeirão, dona de um bordel que causa um verdadeiro rebuliço no interior da Bahia. Disposta a descobrir o paradeiro do filho de Arlete (Letícia Sabatella), sua irmã mais velha, acaba se apaixonado pelo cara que a matou.
Reprodução
Reprodução
Vivian: Como fazer uma lista sobre garotas de programa e não citar a mais famosa de todos os tempos? Julia Roberts imortalizou o conto de fadas da menina de “vida fácil” que sonha encontrar o príncipe encantando que vai tirar-lhe das ruas. Quem nunca viu “Uma Linda Mulher”? O longa é uma unanimidade. Assim como a química entre Júlia e Richard Gere e a trilha sonora do filme.