Deixe seus comentários aqui

PARABÉNS PUQUECA DE CAPRIO

Humor hereditário
Possivelmente poucos saibam quem é o jurutiense José Heraldo Barroso Nunes, mas Puqueca de Caprio (foto), com certeza, milhares de fãs riem só ao ouvir o nome. José Heraldo descobriu sua veia artística ainda em Belém, no início dos anos de 1990, quando fazia faculdade de Pedagogia. “Contava piadas para os meus colegas e todos riam. Acredito que isso é hereditário. Eu tenho um tio que é comediante e outro que é palhaço”, esclareceu.
Certa vez, num barzinho, José Heraldo contava suas piadas e todos à sua volta riam. O dono do barzinho viu e resolveu “contratá-lo” para fazer shows no local ganhando até cachê. Sem dinheiro, Heraldo aceitou. “A partir dali comecei a me profissionalizar. Larguei a faculdade e continuei a fazer shows de humor. Em 1994, como Puqueca, já morava em Parintins, onde passei a me apresentar junto com o parceiro Juveco, mas queria vir para Manaus”.



Em Manaus, apresentando programas primeiro na rádio Difusora, depois na Do Povo FM, e  na VOXI, hoje é a sensação do Toada Hits com o personagem Jojô e o Senador , além de aparecer em programas de televisão, Puqueca consolidou sua carreira de humorista. “Para quem já está na estrada, o mercado está bom. Quem começa sempre tem dificuldades, isso é natural. Desde que vim para Manaus nunca me faltou trabalho. Hoje tenho até contrato com uma empresa de eventos”, omemorou.
Puqueca disse que realiza muitos shows por todo o interior do Amazonas e já fez temporadas em Fortaleza, São Paulo, Pará e Brasília. Lançando o terceiro volume do seu CD de piadas, ele fez um pedido: “comprem meu CD. A renda será revertida para ajudar crianças carentes…, que moram lá em casa”. Conselhos para quem quer entrar na carreira? “Primeiro tem que ter vontade de fazer rir, ser audacioso, fazer com amor. Não desistir nunca na primeira falta de risos do público. Eu nunca tive numa situação dessas, mas já vi muita gente desistir por muito menos que isso”.
Lembrando que o " No fundo da tarrafa tá chegando e com certeza muitas novidades.



Pregnância da Forma

GESTALT DO OBJETOSistema de Leitura Visual da Forma
Fonte: Professor João Gosmes Filho
Pregnância da Forma
A pregnância é a lei Básica da Percepção Visual da Gestalt e, assim definida:
"Qualquer padrão de estímulo tende a ser visto de tal modo que a estrutura resultante é tão simples quanto o permitam as condições dadas".

"As forças de organização da forma tendem a se dirigir tanto quanto o permitam as condições dadas, no sentido da harmonia e do equilíbrio visual'

Em outras palavras, pode-se afirmar que, um objeto com alta pregnância, significa um objeto que apresenta um máximo de equilíbrio, clareza e unificação visual, geralmente apresenta um mínimo de complicação visual na organização de seus elementos ou unidades compositivas. Na figura ao lado, é alto o grau de pregnância. A letra K é de clara e fácil leitura. Ela se destaca bem no contexto compositivo, sobretudo, pela sua cor preta, o que provoca um alto contraste em relação aos outros elementos. Na outra figura direita, é menor o grau de pregnância. A letra K é apenas de razoável leitura, a figura é menos legível que a primeira, por apresentar elementos rebuscados que se confundem com a mesma linguagem formal e a mesma tonalidade cromática que configura a letra.
Comparando-se estas duas imagens, percebe-se que a do lado esquerdo possui um índice de pregnância maior do que a da direita. A razão é muito simples: a primeira imagem apresenta uma melhor organização formal pela própria disposição dos seus elementos na composição -mais soltos, ordenados e equilibrados visualmente. Já a segunda imagem apresenta um número maior de elementos, com maior concentração e sem quase nenhuma regularidade horizontal ou vertical, portanto, com sua harmonia sensivelmente prejudicada.
Aqui, afigura da esquerda apresenta uma média pregnância formal, sua leitura é mais ou menos rápida e de fácil compreensão. Já o grafite da direita possui baixíssima pregnância, sua leitura e compreensão formal são muito mais complícadas e difíceis, ou seja, requerem um tempo muito maior de observação.
Continuando, uma boa pregnância pressupõe que a organização formal do objeto, no sentido psicológico, tenderá a ser sempre a melhor possível do ponto de vista estrutural. Assim, para efeito deste sistema, pode-se afirmar e estabelecer o seguinte critério de qualificação ou julgamento organizacional da forma:
1) Quanto melhor for a organização visual da forma do objeto, em termos de facilidade de compreensão e rapidez de leitura ou interpretação, maior será o seu grau de pregnância.
2) Naturalmente, quanto pior ou mais confusa for a organização visual da forma do objeto, menor será o seu grau de pregnância. Para facilitar o julgamento da pregnância, pode-se estabelecer um grau ou um índice de pontuação como, por exemplo: baixo, médio, alto ou uma nota de 1 a 10, respectivamente, no sentido da melhor para a pior qualificação.

As três imagens acima apresentam baixos índices de pregnância pelo fator de complexidade, que se traduz em excesso de unidades compositivas. Na primeira figura, agravada por certo grau de ambigüidade. Na figura central, a organização formal do emblema é extremamente profusa em elementos simbólicos. Na pintura abstrata, além de sua complexidade, sua harmonia visual é perturbada por diversas irregularidades e pela impressão de sobreposições de elementos formais, orgânicos e geométricos, que não se ajustam de modo coerente, sobretudo com relação às manchas em cores quentes e as muito escuras. Em resumo, as três figuras exigem do observador um tempo maior de atenção para sua leitura. Este tempo maior decorre, exatamente, porque as forças internas de organização da forma, agindo no sistema nervoso do observador, procuram achar a melhor estrutura perceptiva possível no objeto, de modo a permitir a sua decodificação em alguma coisa mais clara e lógica de modo a facilitar sua compreensão.
O interior deste edifício, apesar de apresentar uma boa organização formal, sobretudo pelos fatores de harmonia ordenada e equilíbrio simétrico, possui uma média pregnância. Ou seja, sua leitura e compreensão não são tão imediatas, justamente por ser configurado por diversas unidades formais.


Já a imagem deste palácio, apresenta um elevado grau de organização formal pelos fatores de harmonia e equilíbrio visual, onde predomina o fator de absoluta simetria e, portanto, com alta pregnância. Sua leitura é muita mais rápida e imediata.

SELEÇÃO DE PIADAS , PRA SUA SEMANA FICAR MAS ALEGRE.







Eu vou azular

Eu vou azular
Mais uma toada do Garrote Majestoso prontinha...
Vamos aprender a letra e azular Manaus?
 — em A&N Home Studio.

Autoestima


A autoestima é a apreciação que uma pessoa faz de si mesma em relação à sua autoconfiança e seu autorrespeito. Através dela podemos enfrentar desafios e defender nossos interesses. É formada ainda na infância, utilizando o tratamento que se dá à criança como peça chave, ou seja, se a criança for sempre oprimida em relação a suas atitudes terá baixa autoestima e se a criança for sempre apoiada em relação à suas atitudes terá autoestima elevada. É importante ressaltar que a criança pode ser apoiada em momentos em que é advertida por alguma atitude, pois em momentos em que ocorrem as advertências dá-se a essa criança o devido valor e ainda a ensina a ter domínio próprio e a distinguir atitudes positivas e negativas.
A baixa autoestima é o sentimento que se manifesta em pessoas inseguras, criticadas, indecisas, depressivas e que buscam sempre agradar outras pessoas. A autoestima elevada, em contrapartida, é a condição vivida por pessoas que são elogiadas, apoiadas, autoconfiantes, que têm amor-próprio, não vivem em conflito e não são ansiosas e inseguras.
A importância da autoestima é consideravelmente grande, pois através dela nos identificamos com o eu interior e com outras pessoas com as quais nos relacionamos. Para a contribuição da formação da autoestima é importante que essa seja positiva. Nessa contribuição, não critique, não culpe, não rejeite, não humilhe, não frustre e não exponha à perda. Ao contrário, pode-se contribuir com incentivos que levam a criança a se conhecer, a se gostar, a perceber suas qualidades e a acreditar que é amada e respeitada.
Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola

OS CARTÕES DE HOJE EM DIA FAZEM MILAGRE.


BOM DIA AMIGOS, UMA ÓTIMA QUINTA.

Um bom final de semana gente, valeu obrigado pela visita.





Entendendo com se faz um projeto, baseado nos ensinamentos de Bruno Munari


Projetar éfácil quando se sabe o que fazer. (…) problemas simples que parecem difíceis não se conhecem os problemas que se mostram impossíveis de resolver. (…) énecessário no caso de um grande projeto aumentar o número dos especialistas e dos colaboradores, e adotar o método ànova situação.
(…) O método projetualnão émais do que uma série de operações necessárias, dispostas por ordem lógica, ditada pela experiência. O seu objetivo éo de se atingir o melhor resultado com o menor esforço.
(…) no campo do design não se deve projetar sem um método, pensar de forma artística procurando logo a solução, sem se ter feito uma pesquisa para se documentar acerca do que jáfoi feito de semelhante ao que se quer projetar; sem saber que materiais utilizar para a construção, sem ter precisado bem a sua exata função.
(…) criatividade não significa improvisação sem método (...). A série de operações do método projetualéfeita de valores objetivos que se tornam instrumentos de trabalho nas mãos do projetista criativo.
O método projetualpara o designer não é nada de absoluto nem definitivo; éalgo que se pode modificar se se encontrarem outros valores objetivos que melhorem o processo. E isso liga-se àcriatividade do projetista que, ao aplicar o método, pode descobrir algo para o melhorar. Portanto, as regras do método não bloqueiam a personalidade do projetista mas, pelo contrário, estimulam-no a descobrir coisas que, eventualmente, poderão ser úteis aos outros.
Épreciso saber se um problema tem solução ou não.
O problema não se resolve por si só. Entretanto, ele jácontém a maior parte dos elementos para a sua solução. É necessário, portanto, conhecê-los e utilizá-los no projeto de solução.
(…) Quando um problema não se pode resolver, não éum problema. Quando um problema se pode resolver, também não éum problema.
(...) énecessário antes de tudo saber distinguir se um problema éresolvível ou não.
(…) O problema de design resulta de uma necessidade. (...) pessoas sentem a necessidade de ter (...)
O problema não se resolve por si só; no entanto, contem játodos os elementos para a sua solução, é necessário conhecê-los e utilizá-los no projeto de solução.
Sintetizamos os elementos que compõem o início do método.
Um problema pode ter várias soluções, e é preciso nesse caso definir por qual optamos.
definição do problema
solução problemaMuitos projetistas procuram encontrar imediatamente uma idéia para resolver o problema. A idéia énecessária, com efeito, mas não é este o momento indicado.
Qualquer que seja o problema pode-se dividí-lonos seus componentes. Esta operação facilita o projeto porque tende a por em evidência os pequenos problemas singulares que ocultam nos subproblemas.
definição do problema
solução problema idéia
(...) é necessário o projetista ter uma série de informações acerca de cada problema singular para uma maior segurança no projeto.
Desmontar um problema nos seus componentes significa descobrir muitos subproblemas. (...) A parte mais árdua do trabalho do designer seráa de conhecer as várias soluções com o projeto global. A solução do problema geral estájá coordenação criativa das soluções dos subproblemas.
definição do problema
solução problema idéia componentes do problema
(...) ébom recolher todos os dados necessários para estudar os componentes um a um. A idéia que deveria resolver tudo deve deixar-se ainda para mais tarde.
definição do problema
solução problema idéia componentes do problema coleta de dados
(...) ébom recolher todos os dados necessários para estudar os componentes um a um. A idéia que deveria resolver tudo deve deixar-se ainda para mais tarde.
definição do problema
solução problema idéia componentes do problema coleta de dados análise dos dados
Enquanto a idéia é algo que deveria fornecer a solução bela e pronta, a criatividade toma este lugar, antes de se decidir por uma solução, todas as operações necessárias que se seguem a análise dos dados.
definição do problema
solução problema componentes do problema coleta de dados análise dos dados criatividade
A criatividade, recolhe também outros dados acerca dos possibilidades matéricase tecnológicas à disposição do projeto.
definição do problema
solução problema componentes do problema coleta de dados análise dos dados criatividade materiais tecnológicos
Depois do levantamento dos dados sobre os materiais e sobre as técnicas, a criatividade dirige experimentações dos materiais e dos instrumentos para ter ainda outros dados com que estabelecer relações úteis ao projeto.
definição do problema
solução problema componentes do problema coleta de dados análise dos dados criatividade materiais tecnológicos experimentação
Da experimentaçãopodem surgir modelos, realizados para demonstrar as possibilidades ou técnicas e usar no projeto.
definição do problema
solução problema componentes do problema coleta de dados análise dos dados criatividade materiais tecnológicos experimentação modelo
Nessa altura torna-se necessária uma verificação do modelo, ou dos modelos caso as soluções possíveis sejam mais de uma.
definição do problema
solução problema componentes do problema coleta de dados análise dos dados criatividade materiais tecnológicos experimentação modelo verificação
Com base em todos os dados pode-se começar a preparar os desenhos construtivos, em escala ou em tamanho natural, com todas as medidas precisas e todas as indicações necessárias à realização do protótipo.